Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
A favor dos pequenos gestos (e da diferença que eles fazem)
24 de abril de 2019

“Fiquei bastante emocionada com alguns relatos. Sobre a paixão e alegria de um grupo de adolescentes trabalhando de forma autônoma para construir um prancha ecológica. Sobre o menino que só soube quando era seu aniversário a partir da descoberta, com a s

Participei ontem do 4º encontro sobre educação democrática e escolhi ficar em um grupo de pessoas que trabalham em escolas públicas e que querem transformar esses espaços.

Fiquei bastante emocionada com alguns relatos. Sobre a paixão e alegria de um grupo de adolescentes trabalhando de forma autônoma para construir um prancha ecológica.  Sobre o menino que só soube quando era seu aniversário a partir da descoberta, com a sua professora, da sua certidão de nascimento.

Alguns educadores chegaram lá se sentindo sozinhos, remando contra a maré, e as vezes até duvidando de sua opção, tamanha é a tarefa: motivar os outros professores (cansados, indiferentes ou mesmo raivosos),  superar a apatia dos alunos, sem falar em toda o peso  da condição social das famílias.

Outros, já estão em outra fase do processo, já constituem um grupo e estão pondo as ideias no papel, para começarem a quebrar as barreiras da burocracia.

Sai de lá feliz e torcendo para poder contribuir o máximo possível com essa mudança.

Mas também sai pensando muito em como nós temos dificuldade em dar o devido crédito aos milhares de pequenos gestos democráticos ou igualitários que acontecem numa cidade como São Paulo. É como se só pudéssemos ver a beleza quando todo o cenário é belo, desprezamos os detalhes, as intenções, e nos amparamos apenas nos modelos mais acabados, mais completos.  E esquecemos que eles só surgem daquele momento solitário de uma pessoas que sonhou, que ousou pensar diferente.

Participei ontem do 4º encontro sobre educação democrática e escolhi ficar em um grupo de pessoas que trabalham em escolas públicas e que querem transformar esses espaços.

Fiquei bastante emocionada com alguns relatos. Sobre a paixão e alegria de um grupo de adolescentes trabalhando de forma autônoma para construir um prancha ecológica.  Sobre o menino que só soube quando era seu aniversário a partir da descoberta, com a sua professora, da sua certidão de nascimento.

Alguns educadores chegaram lá se sentindo sozinhos, remando contra a maré, e as vezes até duvidando de sua opção, tamanha é a tarefa: motivar os outros professores (cansados, indiferentes ou mesmo raivosos),  superar a apatia dos alunos, sem falar em toda o peso  da condição social das famílias.

Outros, já estão em outra fase do processo, já constituem um grupo e estão pondo as ideias no papel, para começarem a quebrar as barreiras da burocracia.

Sai de lá feliz e torcendo para poder contribuir o máximo possível com essa mudança.

Mas também sai pensando muito em como nós temos dificuldade em dar o devido crédito aos milhares de pequenos gestos democráticos ou igualitários que acontecem numa cidade como São Paulo. É como se só pudéssemos ver a beleza quando todo o cenário é belo, desprezamos os detalhes, as intenções, e nos amparamos apenas nos modelos mais acabados, mais completos.  E esquecemos que eles só surgem daquele momento solitário de uma pessoas que sonhou, que ousou pensar diferente.

Artigos Relacionados

Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.