Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL AFIRMA UMA POLÍTICA RACISTA DE APARTHEID
23 de abril de 2019

A redução da maioridade penal defendida em peso pela atual Câmara dos Deputados reforça a escancarada política racista de apartheid no Brasil. A proposta foi aprovada na Comissão Especial por 21 votos contra 6 e segue para votação no plenário da Câmara, marcada para o dia 30.

A recente pesquisa divulgada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) traçou o perfil do menor infrator como negro, do sexo masculino, de 16 a 18 anos, que não frequenta escola e vive na miséria.

Os dados reunidos sobre os adolescentes que estão cumprindo medida socioeducativa são os seguintes:

 

– 95% são do sexo masculino

 

– 66% vivem em famílias extremamente pobres

 

– 60% são negros

 

– 60% têm de 16 a 18 anos

 

– 51% não frequentavam escola na época do delito

 

As principais infrações cometidas pelos menores são roubo e tráfico de drogas. Menos de 10% cometem homicídios ou latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

 

As infrações estão distribuídas assim:

 

– 40% deles respondem por roubo

 

– 23,5% por tráfico de drogas

 

– 8,75% por homicídio

 

– 5,6% por ameaça de morte

 

– 3% por tentativa de homicídio

 

– 3,4% por furto

 

– 2,3% por porte de arma de fogo

 

– 1,9%, latrocínio

 

– 1,1%, estupro

 

– 0,9%, lesão corporal

 

– 0,1%, sequestro

 

Em 2013, havia 23,1 mil privados de liberdade. No total, 64% estavam cumprindo medidas de internação — "a mais severa de todas", segundo o Ipea. "Isso indica que a aplicação das medidas não corresponde com a gravidade dos atos cometidos", afirmaram as pesquisadoras Enid Rocha e Raissa Menezes, do Ipea.

 

Os estados com mais adolescentes privados de liberdade são: São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco e Ceará.

 

A nota técnica baseada na pesquisa do Ipea está disponível para consultas:  http://m.huffpost.com/br/entry/7595130?ncid=fcbklnkbrhpmg00000004

 

A população carcerária brasileira já supera 700 mil pessoas, a quarta maior do mundo, atrás apenas de EUA, China e Rússia, sendo que 61% é formada por pessoas negras[1]. Segundo o Mapa da Violência no Brasil, de 2002 a 2012 o número de homicídios contra os jovens negros teve alta de 32,4% enquanto a taxa de homicídios contra jovens brancos caiu 32,3%.

 

Diante desta realidade fica claro a falência de todo sistema judicial brasileiro e quem são aqueles que estão pagando por isto. Acompanhe abaixo a lista dos deputados e seu posicionamento sobre o assunto.

 


[1] http://revistavaidape.com.br/especial-vinte-e-dois-anos-de-um-massacre-sem-fim-2/

 

A redução da maioridade penal defendida em peso pela atual Câmara dos Deputados reforça a escancarada política racista de apartheid no Brasil. A proposta foi aprovada na Comissão Especial por 21 votos contra 6 e segue para votação no plenário da Câmara, m

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.