Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Ajuda para a reallização de um Intercâmbio Brasil/Senegal dança-arte-eucação
23 de abril de 2019

“Saber-me negra é viver a experiência de ter sido massacrada em minha identidade, confundida em minhas perspectivas, submetida a exigências, compelida a expectativas alienadas. Mas também é sobretudo a experiência de comprometer-me a resgatar minha história e recriar-me em minhas potencialidades”

(Paráfrase de trecho do livro Tornar-se negro de Neuza Santos Souza)

 

Este é um projeto de apoio a minha participação no Curso Dança Negra, Engajamento e Resistência, com duração de 40 dias na Escola de Areias no Senegal, a principal instituição de pesquisa sobre essa temática no Continente Africano*. Sou artista e educadora, e minha luta e pesquisa diária é para que haja um diálogo entre a educação e a arte negra dentro da escola. Há a lei 10.639/03 que apesar de seus 12 anos de existência continua sendo muito negligenciada na prática, as notícias diárias nos mostram que pouco ou nada vem sendo feito nesse sentido, e que estamos longe de construir uma escola pós-racista que segundo o Ministro da Educação Roberto Janine Ribeiro é o que precisamos com urgência.

Eu pretendo relacionar os conhecimentos que vou adquirir nesse curso com metodologias e estratégias educativas voltadas para o ambiente escolar, pois acredito que só por meio de um fazer artístico consistente o educador de artes pode construir um trabalho impactante com seus educandos. Assim, elaborei minhas contrapartidas tendo como foco a geração de conhecimentos no campo da arte-educação da cultura negra por meio de um blog informativo com registros, relatos e imagens de todo o processo vivido no curso e inclusive das próprias contrapartidas, capacitações para professores de escolas públicas, apresentações artísticas de dança negra contemporânea seguida de debates nas escolas públicas e um curso de longa duração (40 horas) sobre Corpo Negro na Escola: Procedimentos Metodológicos para a comunidade em geral.

Sendo assim, a minha intenção em realizar o curso Dança Negra: engajamento e resistência, na Escola de Areias no Senegal, é relacionar os conhecimentos adquiridos durante o período do curso com as questões da inserção da cultura afro-brasileira na escola, estabelecer pontes metodológicas entre a cultura negra tradicional e cultura negra contemporânea (através dos artistas das diferentes nacionalidades que encontrarei nesse evento), e a compreensão dos processos de reconstituição identitária através da vivência máxima das potencialidades do corpo presente na prática das danças negras tradicionais (tanto brasileiras, quanto africanas) e seus reflexos no corpo negro contemporâneo.

Assim, por ser consciente de minha identidade e de minha trajetória desejo realizar esse curso com a intenção de gerar mais conhecimentos nos campos investigativos da arte de origem afro-diáspórica, e quero compartilhar com os coletivos, grupos e instituições que pensam e realizam trabalhos no campo das ações afirmativas para a população negra brasileira, os conhecimentos e provocações originárias desse curso. Enfim, acredito que todo conhecimento tem que ser compartilhado, conhecimento parado é inútil. Esse curso não vai gerar frutos só para a minha carreira, minha intenção é levar as ideias profundas e avançadas da noção de identidade negra fortalecida que existe na Escola de Areias à maior quantidade possível de pessoas.

Se você pretende colaborar e quer saber mais sobre minhas intenções, sobre a Escola de Areias e os conteúdos do curso que eu vou fazer, é só continuar lendo, abaixo segue a proposta mais detalhada.

 

DESDE JÁ MUITO OBRIGADA PELA ATENÇÃO!

 

PS: essa campanha foi feita em caráter de urgência, a residência vai de 16 de julho a 26 de agosto. Tentei diversas formas de apoio financeiro público e privado sem sucesso, então num último ato de fé coloco essa campanha, inspirada primeiramente pela resistência de meus antepassados, e pela luz de pessoas lindas que encontrei no meu caminho que me deram forças para acreditar que tudo é possível.

http://www.kickante.com.br/campanhas/intercambio-cultural-brasil-senegal-danca-negra-contemporanea

Por uma escola pós-racista

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.