Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Brincando Com e Nas Diversidades
24 de abril de 2019

A invisibilidade da infância nos espaços públicos da cidade revela quais são seus lugares sociais na cena urbana. Os espaços do brincar com os parques infantis, e os espaços educativos com as escolas, constroem uma cartografia urbana da infância.

A invisibilidade da infância nos espaços públicos da cidade revela quais são seus lugares sociais na cena urbana. Os espaços do brincar com os parques infantis, e os espaços educativos com as escolas, constroem uma cartografia urbana da infância.

A delimitação de lugares específicos para as crianças na cidade “denuncia” uma situação de exclusão urbana da infância. Assim, elas vão sendo “impedidas” de entrar em contato e interagir com as diversidades urbanas (sociais, raciais, econômicas, raciais) a partir de sua forma própria de expressão, manifestação e ação – o brincar.

O brincar ao ar livre foi sendo substituído pelo brincar em espaços interiores cobertos e fechados de menor dimensão opondo os interesses dos pais – deixar seus filhos em locais seguros – aos anseios e desejos dos filhos – brincar com liberdade em espaços abertos cm todos os sujeitos sociais.

Distanciadas de participarem da construção e da ocupação do espaço da cidade, as crianças ficam destinadas ao espaço da casa, do play, da escola, e cada vez menos freqüentemente da rua. Espaços que são construídos para elas e não por elas (Castro, 2004, p.74)

As ruas e praças, que na Idade Média, eram o local da sociabilidade e o palco do brincar entre as diversidades desaparecem e passam a desempenhar a função de uma ponte de ligação entre um espaço privado e outro, fazendo do espaço público um local de passagem em uma cidade vista como pretexto.

Na cidadepretexto, a relação que se constrói com o espaço urbano e com as pessoas é de passagem, de modo queo contexto urbano é utilizado para atingir determinados fins, como morar, trabalhar, estudar, viajar etc. As pessoas transitam e circulam pela cidade com o objetivo de chegar em casa, ao local de trabalho, à escola etc.

Na cidade contexto, os habitantes citadinos têm uma relação direta com a cidade, transformando-a em contexto de passeio onde as pessoas se encontram, conversam, socializam, brincam. A cidade, neste caso, é utilizada como o próprio contexto sócio-cultural e palco das brincadeiras.

As escolas regulam o tempo urbano da infância, determinando quanto tempo irá “sobrar” para entrarem em contato e se relacionarem com a cidade. Os horários de entrada e saída das escolas, ditados pelos toques das sirenes, controlam os processos de enchimento e esvaziamento de crianças pelas ruas que, diariamente, transitam pelos espaços citadinos trajadas com seus uniformes escolares e mochilas nas costas.

A relação das crianças com a cidade é observada nestes intervalos de tempo em que transitam de casa para a escola e da escola para casa. Observamos que elas brincam de acordo com as próprias necessidades, mediante uma leitura metafórica e um uso lúdico dos espaços e equipamentos urbanos.

As crianças revelam a preferência por brincar com a cidade ao invés de brincar na cidade, como querem os adultos, em locais específicos para o brincar, que garantem a sua tranqüilidade pelo fato de saberem que ali as crianças estão afastadas dos males da rua.

Ter as crianças circulando e ocupando os espaços públicos da cidade contribui para o resgate da ludicidade dos adultos que vêem as ações e manifestações lúdicas das crianças com e na cidade.

A escola pode ser o elo de ligação entre os diferentes sujeitos sociais promovendo o brincar com e na diversidade. Através de passeios urbanos, de oficinas de leitura, brinquedos, brincadeiras, a escola torna visível a presença da infância nos cenários e espaços urbanos integrando as crianças com os diversos habitantes que configuram uma cidade por meio do brincar.

Bibliografia

Castro, Lúcia Rabello (2004). A Aventura Urbana: Crianças e Jovens no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Didontet, Vital. (2006) “Uma Cidade Para a Criança”. Cadernos Cenpec – Educação e Cidade. São Paulo, n 1, p. 111-119, primeiro semestre de 2006.

Lima, Mayumi Sousa (1989). A Cidade e a Criança. São Paulo: Nobel.

Oliveira, Cláudia (2004). O Ambiente Urbano e a Formação da Criança. São Paulo: Aleph.

Sarmento, Manuel Jacinto (2004). “As Culturas da Infância nas Encruzilhadas da Segunda Modernidade”, in Sarmento, Manuel Jacinto e Cerisara, Ana Beatriz (2004). Crianças e Miúdos: Perspectivas Sociopedagógicas da Infância e Educação. Porto: Edições ASA.

Tonucci, Francesco (1997). La Ciudad de los Niños. Roma:Fundación Germán Sánchez Ruipérez.

A invisibilidade da infância nos espaços públicos da cidade revela quais são seus lugares sociais na cena urbana. Os espaços do brincar com os parques infantis, e os espaços educativos com as escolas, constroem uma cartografia urbana da infância.

A delimitação de lugares específicos para as crianças na cidade “denuncia” uma situação de exclusão urbana da infância. Assim, elas vão sendo “impedidas” de entrar em contato e interagir com as diversidades urbanas (sociais, raciais, econômicas, raciais) a partir de sua forma própria de expressão, manifestação e ação – o brincar.

O brincar ao ar livre foi sendo substituído pelo brincar em espaços interiores cobertos e fechados de menor dimensão opondo os interesses dos pais – deixar seus filhos em locais seguros – aos anseios e desejos dos filhos – brincar com liberdade em espaços abertos cm todos os sujeitos sociais.

Distanciadas de participarem da construção e da ocupação do espaço da cidade, as crianças ficam destinadas ao espaço da casa, do play, da escola, e cada vez menos freqüentemente da rua. Espaços que são construídos para elas e não por elas (Castro, 2004, p.74)

As ruas e praças, que na Idade Média, eram o local da sociabilidade e o palco do brincar entre as diversidades desaparecem e passam a desempenhar a função de uma ponte de ligação entre um espaço privado e outro, fazendo do espaço público um local de passagem em uma cidade vista como pretexto.

Na cidadepretexto, a relação que se constrói com o espaço urbano e com as pessoas é de passagem, de modo queo contexto urbano é utilizado para atingir determinados fins, como morar, trabalhar, estudar, viajar etc. As pessoas transitam e circulam pela cidade com o objetivo de chegar em casa, ao local de trabalho, à escola etc.

Na cidade contexto, os habitantes citadinos têm uma relação direta com a cidade, transformando-a em contexto de passeio onde as pessoas se encontram, conversam, socializam, brincam. A cidade, neste caso, é utilizada como o próprio contexto sócio-cultural e palco das brincadeiras.

As escolas regulam o tempo urbano da infância, determinando quanto tempo irá “sobrar” para entrarem em contato e se relacionarem com a cidade. Os horários de entrada e saída das escolas, ditados pelos toques das sirenes, controlam os processos de enchimento e esvaziamento de crianças pelas ruas que, diariamente, transitam pelos espaços citadinos trajadas com seus uniformes escolares e mochilas nas costas.

A relação das crianças com a cidade é observada nestes intervalos de tempo em que transitam de casa para a escola e da escola para casa. Observamos que elas brincam de acordo com as próprias necessidades, mediante uma leitura metafórica e um uso lúdico dos espaços e equipamentos urbanos.

As crianças revelam a preferência por brincar com a cidade ao invés de brincar na cidade, como querem os adultos, em locais específicos para o brincar, que garantem a sua tranqüilidade pelo fato de saberem que ali as crianças estão afastadas dos males da rua.

Ter as crianças circulando e ocupando os espaços públicos da cidade contribui para o resgate da ludicidade dos adultos que vêem as ações e manifestações lúdicas das crianças com e na cidade.

A escola pode ser o elo de ligação entre os diferentes sujeitos sociais promovendo o brincar com e na diversidade. Através de passeios urbanos, de oficinas de leitura, brinquedos, brincadeiras, a escola torna visível a presença da infância nos cenários e espaços urbanos integrando as crianças com os diversos habitantes que configuram uma cidade por meio do brincar.

Bibliografia

Castro, Lúcia Rabello (2004). A Aventura Urbana: Crianças e Jovens no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Didontet, Vital. (2006) “Uma Cidade Para a Criança”. Cadernos Cenpec – Educação e Cidade. São Paulo, n 1, p. 111-119, primeiro semestre de 2006.

Lima, Mayumi Sousa (1989). A Cidade e a Criança. São Paulo: Nobel.

Oliveira, Cláudia (2004). O Ambiente Urbano e a Formação da Criança. São Paulo: Aleph.

Sarmento, Manuel Jacinto (2004). “As Culturas da Infância nas Encruzilhadas da Segunda Modernidade”, in Sarmento, Manuel Jacinto e Cerisara, Ana Beatriz (2004). Crianças e Miúdos: Perspectivas Sociopedagógicas da Infância e Educação. Porto: Edições ASA.

Tonucci, Francesco (1997). La Ciudad de los Niños. Roma:Fundación Germán Sánchez Ruipérez.

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.