Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Cidadania
24 de abril de 2019

Numa escola, da qual não importa referir o nome ou lugar, por ser igual a tantas outras escolas, alunos destruíram mobiliário, depredaram o edifício. Num colégio particular, um jovem de 12 anos agrediu selváticamente um colega de 11 anos e foi “suspenso p

Numa escola, da qual não importa referir o nome ou lugar, por ser igual a tantas outras escolas, alunos destruíram mobiliário, depredaram o edifício. Num colégio particular, um jovem de 12 anos agrediu selváticamente um colega de 11 anos e foi “suspenso por um dia” …

O amigo Severino diz-nos que cidadania é a medida da qualidade de vida humana, que se desdobra apoiada na presença das mediações histórico-sociais.

E o nosso amigo Freire considerava a educação uma prática de liberdade. Porque havia lido esses e outros sábios, a Maria entrou na sua nova escola disposta a fazer jus à leitura dos mestres. Chegada ao refeitório, deparou com uma longa fila e no último lugar da fila se colocou.

Não tardou que uma criança lhe dissesse: Setôra, por que não vai lá para a frente da fila?

Meu querido, eu devo ficar no meu lugar – contestou a Maria.

A criança insistiu: Na nossa escola, os professores passam à nossa frente. A senhora é professora, pode passar à frente.

Exatamente por ser professora é que eu não vou para a frente da fila, meu querido – Completou a Maria. E por aí se quedou o breve diálogo.

Mas não o episódio…  Outra professora chegou ao refeitório, ultrapassou toda a gente e se serviu de alimento. A criança, que falara com a Maria, ousou interpelar quem tinha “passado à frente”. Foi repreendido por essa e outras indignadas professoras.

A Maria herdara uma cultura diferente daquela que ali prevalecia. Havia trabalhado numa escola onde palavras como respeito e cidadania não serviam apenas para enfeitar um projeto pedagógico apenas escrito. Numa escola onde as regras eram decididas em coletivo e por todos cumpridas, onde valores escritos não eram negados na prática. Num tempo e lugar onde se educava no exercício da cidadania. Na sua nova escola, a Maria surpreendia-se com o fato de haver quarto de banho de aluno (coletivo e sem espelho) diferente de quarto de banho de professor (coletivo e com espelho) e este separado do quarto de banho do diretor (privativo e com espelho). Surpreendia-se que todo mundo “achasse normal” que até no defecar e urinar houvesse hierarquia. Sabia que não se prepara jovens para a cidadania, mas que se educa na cidadania, em contextos onde haja igualdade na diversidade, onde prevaleça o exemplo. Isso ela aprendera numa escola onde não se “passava à frente”.

A Maria desta história encontrou quem partilhasse esperançosas práticas. Porém, quando se propôs trabalhar em equipe, reunir em assembleia com os alunos, partilhar projetos com a comunidade, foi-lhe dito que, há alguns anos, outra Maria havia tentado fazê-lo e se arrependeu.

Vícios e tabus se revelam nos mais ínfimos pormenores, representações sedimentadas tendem a esconder a origem de formas sociais de dominação. Não surpreende, por isso, que uma solícita inspetora tenha demovido a Maria dos seus audazes propósitos, ordenando-lhe que desse as suas aulinhas e fizesse o que lhe mandavam fazer. E que uma prudente diretora a aconselhasse: Maria, tenha paciência. Aqui, manda quem pode e obedece quem tem juízo.

Qual terá sido o desfecho desta história? A Maria terá conseguido cumprir o projeto pedagógico da escola e desenvolver cidadania? Ou terá passado da fila do refeitório para a fila de espera da consulta de psiquiatria?

Esta história admite vários desfechos. Inclusive, aquele que o eventual leitor lhe quiser dar.

Numa escola, da qual não importa referir o nome ou lugar, por ser igual a tantas outras escolas, alunos destruíram mobiliário, depredaram o edifício. Num colégio particular, um jovem de 12 anos agrediu selváticamente um colega de 11 anos e foi “suspenso por um dia” …

O amigo Severino diz-nos que cidadania é a medida da qualidade de vida humana, que se desdobra apoiada na presença das mediações histórico-sociais.

E o nosso amigo Freire considerava a educação uma prática de liberdade. Porque havia lido esses e outros sábios, a Maria entrou na sua nova escola disposta a fazer jus à leitura dos mestres. Chegada ao refeitório, deparou com uma longa fila e no último lugar da fila se colocou.

Não tardou que uma criança lhe dissesse: Setôra, por que não vai lá para a frente da fila?

Meu querido, eu devo ficar no meu lugar – contestou a Maria.

A criança insistiu: Na nossa escola, os professores passam à nossa frente. A senhora é professora, pode passar à frente.

Exatamente por ser professora é que eu não vou para a frente da fila, meu querido – Completou a Maria. E por aí se quedou o breve diálogo.

Mas não o episódio…  Outra professora chegou ao refeitório, ultrapassou toda a gente e se serviu de alimento. A criança, que falara com a Maria, ousou interpelar quem tinha “passado à frente”. Foi repreendido por essa e outras indignadas professoras.

A Maria herdara uma cultura diferente daquela que ali prevalecia. Havia trabalhado numa escola onde palavras como respeito e cidadania não serviam apenas para enfeitar um projeto pedagógico apenas escrito. Numa escola onde as regras eram decididas em coletivo e por todos cumpridas, onde valores escritos não eram negados na prática. Num tempo e lugar onde se educava no exercício da cidadania. Na sua nova escola, a Maria surpreendia-se com o fato de haver quarto de banho de aluno (coletivo e sem espelho) diferente de quarto de banho de professor (coletivo e com espelho) e este separado do quarto de banho do diretor (privativo e com espelho). Surpreendia-se que todo mundo “achasse normal” que até no defecar e urinar houvesse hierarquia. Sabia que não se prepara jovens para a cidadania, mas que se educa na cidadania, em contextos onde haja igualdade na diversidade, onde prevaleça o exemplo. Isso ela aprendera numa escola onde não se “passava à frente”.

A Maria desta história encontrou quem partilhasse esperançosas práticas. Porém, quando se propôs trabalhar em equipe, reunir em assembleia com os alunos, partilhar projetos com a comunidade, foi-lhe dito que, há alguns anos, outra Maria havia tentado fazê-lo e se arrependeu.

Vícios e tabus se revelam nos mais ínfimos pormenores, representações sedimentadas tendem a esconder a origem de formas sociais de dominação. Não surpreende, por isso, que uma solícita inspetora tenha demovido a Maria dos seus audazes propósitos, ordenando-lhe que desse as suas aulinhas e fizesse o que lhe mandavam fazer. E que uma prudente diretora a aconselhasse: Maria, tenha paciência. Aqui, manda quem pode e obedece quem tem juízo.

Qual terá sido o desfecho desta história? A Maria terá conseguido cumprir o projeto pedagógico da escola e desenvolver cidadania? Ou terá passado da fila do refeitório para a fila de espera da consulta de psiquiatria?

Esta história admite vários desfechos. Inclusive, aquele que o eventual leitor lhe quiser dar.

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.