Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Cuidar de quem cuida: Quem educa os filhos das professoras obrigadas a permanecer nas telas?
31 de outubro de 2020

Como as filhas e filhos das professoras e professores estão passando por este momento de reclusão e quarentena? Não nos impressiona mais que ninguém tenha parado para pensar nos filhos daquelas que mais se dedicam e se preocupam com as nossas crianças, as professoras e professores.

Nesse momento de incertezas, estresses e preocupações vemos cada vez mais os pais pressionando as professoras quanto a suposta evolução ou retrocesso no que condiz com as relações de ensino aprendizagem de seus filhos, ou possível retorno do investimento realizado, no caso das escolas particulares.

“Meu filho não presta atenção na tela do Tablet!”

“Minha filha não está aprendendo nada e eu estou pagando!”

“Preciso urgentemente que minha filha volte fisicamente a escola, todos os dias da semana!”

“Na nossa comunidade o acesso a internet é restrito, falta saneamento básico!”

Estamos em um novo cenário e precisamos cada vez mais do envolvimento das famílias, mães e pais, no dia a dia de seus filhos, não dá mais para focar completamente no profissional e delegar o peso para as professoras, escolas não podem ser depósitos de crianças, esta lógica é inclusive reproduzida de modo virtual com professoras e crianças sendo obrigadas a sentar por semanas frente as telas, sem desprezar todos os avanços, ferramentas e oportunidades que as novas tecnologias despertam. Mas, sem o compromisso da família e comunidade o objetivo verdadeiro de uma formação não irá acontecer. Desde sempre, acompanhar a evolução educacional de nossos filhos potencializará diversas habilidades e facilidades necessárias ao longo de suas vidas.

Os professores são aliados, não são inimigos ou super heróis, não se pode exigir resultados imediatos e efetivos. Estamos vivendo o desconhecido.

Os estudos demonstram os ganhos desta aproximação da escola e da família, inclusive na Matemática.

Professoras e professores estão trabalhando muito mais e buscando todas as alternativas para tornar o ano letivo mais proveitoso. O desenvolvimento desse trabalho tem acontecido, mesmo com esses educadores se sentindo acuados por ameaças de demissões, ou por avaliação de baixo desempenho, ou porque os pais estão tirando as crianças da escola…

Essa reflexão busca entender e principalmente alertar a sociedade quanto ao esforço do corpo docente em oferecer um “novo melhor”, abrindo mão do acompanhamento pedagógico de seus próprios filhos dentro de casa!

Algumas pessoas podem entender esse momento como trágico, eu, como pai, de criança pequena, professor de Matemática e marido de uma professora de Educação Infantil (no momento on-line), prefiro visualizar as coisas boas. Nunca convivi tanto com o meu filho, nunca acompanhei de perto todos os detalhes de sua evolução, nunca brinquei tanto, nunca me diverti tanto, nunca fiquei tão cansado, mas ao mesmo tempo nunca fui tão feliz como nesse ambivalente momento.

Para as pessoas que exigem ainda mais das professoras e professores e das escolas, muitas vezes pela necessidade de tempo para que possam também cuidar de suas obrigações, é preciso aceitar que neste ano fomos obrigados a olhar de frente para as nossas prioridades.

Resumidamente, ter a capacidade de educar um filho não é uma das tarefas mais fáceis. As famílias precisam assumir as suas responsabilidades dentro dos lares sem delegar para as escolas, como pais, mães ou cuidadores. Com força e saúde na torcida por uma vacina breve. 

1 (MARQUES, 2002; SZYMANSKI, 2003; POLONIA; DESSEN, 2005; GASONATO, 2007)

Artigos Relacionados

Patrick Israel
Patrick Israel, Pai e Professor. Pós Graduado em Educação Matemática na PUC e MBA em Gestão de negócios na USP, atualmente atua como professor no Instituto Responsa - Emprego e responsabilidade Social e como colunista do portal d@ educador@. Tem atuado na educação de pais, filhos e famílias em uma agência de empregos social voltada a pessoas egressas do sistema prisional.