Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Instituto Singularidades promove encontros para discutir novos paradigmas educativos
23 de abril de 2019

No segundo semestre de 2016, o Instituto Singularidades promoverá uma série de quatro encontros com o objetivo de aprofundar o debate em torno das possibilidades de se educar em liberdade para o desenvolvimento da autonomia.

A proposta foi construída pelo professor Denis Plapler, gestor pedagógico do Portal do Educador, em conjunto com a Coordenadora Pedagógica do Instituto, Antonieta Heyden Megale. Cada um dos encontros contará com um convidado com experiência no tema proposto.

O convidado especial para o primeiro encontro será o professor José Pacheco, um dos grandes responsáveis por projetos educativos que se tornaram referência em todo o mundo, justamente pela aposta em uma educação na qual as crianças desenvolvem sua autonomia sendo educadas em liberdade, sem que precisem permanecer em salas e carteiras, sem a exigência de provas ou notas. Abandonando carteiras e fileiras – Metodologia de Projetos para investigar o conhecimento indisciplinadofoi o título determinado para iniciar esta proposta.

Na visão do professor e sociólogo, Denis Plapler, que estará ao lado de cada um dos convidados mediando o diálogo com os participantes, a divisão segmentada do conhecimento limita a leitura de mundo dos estudantes e torna a escola desinteressante. Para ele “faz-se necessário compreender as bases epistemológicas do conhecimento transdisciplinar, complexo, holístico e sistêmico, pois separar a História da Geografia implica em separar o espaço  do tempo, assim como separar a Química da Biologia implica em separar os seres vivos de seus elementos constituintes.” Denis complementa que ao possibilitar que os estudantes investiguem aquilo que desejam permitimos que percorram as diversas áreas do saber de forma natural e espontânea.  Com o objeto de estudo vinculado as suas vidas, o aprendizado ocorre de forma significativa e a escola se torna capaz de acolher os sonhos dos estudantes.

O segundo encontro traz para debate outro tema bastante polêmico; A epidemia de diagnósticos medicalizantes que acabam por transformar problemas de educação em problemas de saúde; Da palmatória a ritalina – Educação Inclusiva, Desconstrução de Diagnósticos e Desmedicalização. A convidada para este encontro é a experiente psicóloga Beatriz de Paula Souza, profissional atuante no Fórum sobre Medicalização da Educação e da Saúde e do centro de Queixa Escolar da USP. O professor Denis Plapler explica que a proposta deste encontro é exercitar a consciência de que transmitimos sempre aquilo que somos. Assim, amor, confiança, vínculos profundos e verdadeiros são elementos indispensáveis ao ato de educar.  Denis defende a necessidade de compreendermos o ser humano de forma integral, com suas questões cognitivas, sociais e emocionais interligadas e interdependentes, pois desconstruir transtornos e déficits criados para fortalecer uma cultura que transforma problemas de educação em problemas de saúde nos possibilitaria compreender  profecias auto-realizadoras que transformam sujeitos saudáveis em pessoas doentes.

Para o terceiro encontro, a iniciativa do Instituto Singularidades convida Helena Singer, que possui vasta produção acadêmica e experiência prática em educação democrática e inovadora. Autora de livros como A República das Crianças e Territórios Educativos,  pesquisadora do conceito de Comunidades de Aprendizagem, Helena foi uma das criadoras da Escola Lumiar, Coordenadora Pedagógica do Aprendiz, Assessora Especial do MEC, onde implementou a Iniciativa por Inovação e Criatividade na Educação Básica do Brasil, na gestão do Ex-Ministro Renato Janine Ribeiro, e hoje atua no Departamento Nacional do Sesc.

Com o título – Escolas de luta – A escola como polo de desenvolvimento local de suas comunidades, o encontro tem o objetivo de tratar a educação para além dos muros da escola, como um processo natural para toda a vida. Neste dia serão abordados temas como divergências entre a representação e a participação direta e responsável na gestão pedagógica, gestões horizontais que rompem com as rígidas estruturas hierárquicas e possibilitam estreitar os laços pessoais, assim como gerir as instituições educativas de forma coletiva e dialógica, com significado compartilhado. 

Fechando a série de quatro encontros planejados para 2016, o professor Denis estará ao lado da Filósofa e pesquisadora do conceito de Desescolarização, Carla Ferro, dona de um pensamento bastante livre e autônomo. Com objetivo de promover e aprofundar o diálogo sobre uma educação que nos liberte de paradigmas escolares, os professores pretendem debater as possibilidades de resgate da criança para amadurecer o adulto. Denis Plapler nos explica que, “ao brincar, a criança atinge uma dimensão inalcançável na qual o aprendizado não pode ser mensurado. Desenvolvem a criatividade, a imaginação, os laços sociais, a linguagem, a autonomia, dentre tantas outras questões já surdas aos ouvidos dos adultos. Educar de forma a estruturar rigidamente o tempo e o espaço impede que o estudante cresça em liberdade e desenvolva sua autonomia”. Segundo Denis a escola precisa oferecer a possibilidade de  experimentação da vida não apenas para preparar os estudantes para a vida, “pois eles já estão vivos e vivendo.”  Portanto, permitir que os estudantes experimentem aquilo que a vida é capaz de oferecer, de forma apropriada, no campo dos esportes, das artes, da investigação científica de fato, assim como das diversas formas de linguagens, implica em não sabotar o seu direito a vida e ao desenvolvimento da autonomia.

Os encontros serão pagos, com 50 vagas disponíveis. O Instituto Singularidades informa que não há mais vagas para o primeiro encontro e, em breve, abrirá inscrições para os encontros seguintes.

mais informações: claudia.laloni@singularidades.com.br 

telefone: (11) 30345445

 

 

 

 

No segundo semestre de 2016 o Instituto Singularidades irá promover uma serie de quatro encontros com objetivo de aprofundar o debate em torno das possibilidades de se educar em liberdade para o desenvolvimento da autonomia.

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.