Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Pas de croix!*
24 de abril de 2019

Quando a atriz Viviany Beleboni decidiu fazer uma performance utilizando o símbolo da cruz não imaginava que o negócio ficaria tão sério para o seu lado, como contou à Globo [1] no dia seguinte à 19?Parada LGBT paulista, que já constou do Livro dos Record

 

*Inspirado em ‘Pas d’hospitalité’ (1997)[1], de Jacques Derrida (1930-2004)

 

Quando a atriz Viviany Beleboni decidiu fazer uma performance utilizando o símbolo da cruz não imaginava que o negócio ficaria tão sério para o seu lado, como contou à Globo [1] no dia seguinte à 19a Parada LGBT paulista, que já constou do Livro dos Recordes como a maior do mundo [2].

Antes dela, os rappers Marcelo D2 [3] e Chris Brown [4], o sambista Bezerra da Silva [5], as divas pop Madonna [6] e Lady Gaga [7], entre outros, já haviam utilizado o símbolo polêmico em suas performances artísticas, e olha que sem nenhuma legenda tal como a incluída na da atriz paulista, que claramente dizia ser “contra a homofobia”. Isso se focarmos apenas os últimos trinta anos, para não voltar até os punks estadunidenses do final da década de 1970, eles próprios que “eram anti-religião, mas usavam cruzes” [8].

Tudo se passa como se cruz e cristianismo fossem inseparáveis. A sua união, contudo, foi política e datada. Segundo o poeta Pareta Calderash: “A representação da cruz é a mais controversa. Visto que quando Jesus Cristo morreu a crucificação era algo inexistente. A pena de morte era praticada por pregar a pessoa em um madeiro, ou poste reto. O símbolo da cruz foi inserido em um concílio da Igreja Católica (…)” [9]. Embora de origem duvidosa, a cruz e outros símbolos pagãos apenas foram adotados pela Igreja após o Segundo Concílio de Niceia, no século VIII [10].

Se durante boa parte do primeiro milênio de sua existência, o sinal da cruz permaneceu no limbo das crenças cristãs, a partir do século IX este assumiu um locus de identidade desta religião. O uso deste termo não é aleatório: possui um propósito muito claro para qualquer antropólogo. Pois se há um consenso entre as Ciências Humanas é o de que a identidade é não apenas um construto, e como tal, pode ser desconstruído (p.ex., revelando suas raízes históricas); como que tal construto é social, sendo produto das relações sociais entre segmentos necessariamente distintos.

A história recente de um órgão mundialmente famoso ilustra de modo surpreendente quais são estes segmentos distintos. Trata-se do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) que, pelo seu estatuto [11], integra o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. Os dois símbolos (a cruz e o crescente) foram unidos após disputas de caráter religioso em que o princípio humanitário de preservação dos civis em conflitos armados era desrespeitado devido ao não-reconhecimento de uma das partes “do outro lado” que utilizava um símbolo determinado.

Assim, as batalhas bizantinas contra a expansão islâmica após a morte do Profeta Maomé [12] no século VII produziram efeitos para muito além de sua época. Em oposição a um lado, o outro se afirmou. Resta saber por quanto tempo sobrevive se ruírem as bases sobre as quais se firmou.

 

Notas:

 

[1] Globo, 08/06/15. Transexual 'crucificada' na Parada Gay relata ameaças em rede social. IN: <http://ego.globo.com/famosos/noticia/2015/06/transexual-crucificada-na-parada-gay-relata-ameacas-em-rede-social.html> [acesso: 09/06/15]

[2] Folha de São Paulo, 28/05/08. Guinness exclui recorde da Parada Gay. IN: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/colunas/destaquesgls/ult10009u406368.shtml> [acesso: 09/06/15]

[3] Isto É, 04/10/15. Bezerra por D2. <http://www.istoe.com.br/reportagens/103735_BEZERRA+ POR+D2> [acesso: 09/06/15]

[4] Huffington Post, 29/06/13. Chris Brown Feels Like Jesus On The Cross After Alleged Assault. IN: <http://www.huffingtonpost.com/2013/01/28/chris-brown-jesus-assault_n_2571159.html> [acesso: 09/06/15]

[5] Musicaria Brasil, Março 13. A polêmica capa do LP “Eu não sou santo”, Bezerra da Silva 1990. IN: <http://musicariabrasil.blogspot.com.br/2013/03/a-polemica-capa-do-lp-eu-nao-sou-santo.html> [acesso: 09/06/15]

[6] NPR, 16/08/06. Madonna's Cross Raises Thorny Questions. IN: <http://www.npr.org/templates /story/story.php?storyId=5658956> [acesso: 09/06/15]

[7] VC, 15/11/09. Lady Gaga's Bad Romance: The Occult Meaning. IN: <http://vigilantcitizen.com/musicbusiness/lady-gagas-bad-romance-the-occult-meaning/>  [acesso em: 09/06/15]

[8] ERRICKSON, April. A Journey into the punk subculture: punk outreach in public libraries. IN: <http://dc.lib.unc.edu/cdm/ref/collection/s_papers/id/192>  [acesso: 09/06/15]

[9] Portal JusBrasil, 08/06/15. A Parada Gay e o histórico de desrespeito a imagem de Cristo. IN: <http://pareta.jusbrasil.com.br/artigos/195939893/a-parada-gay-e-o-historico-de-desrespeito-a-imagem-de-cristo>  [acesso: 09/06/15]

[10] TANNER, Norman (Ed.). “Nicaea II: 787”. IN: Decrees of the Ecumenical Councils. Georgetown University Press (1990) ISBN: 9780878404902. (pp. 130-156). Capítulo disponível em: <http://faculty.cua.edu/pennington/Canon%20Law/Councils/Chalcedon%20451.pdf>  [acesso: 09/06/15]

[11] Estatutos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). Disponível em: <https://www.icrc .org/por/resources/documents/misc/icrc-statutes-080503.htm> [acesso: 09/06/15]

[12] KALIN, Ibrahim. Islam and the West: Deciphering a Contested History. [s/d]. Disponível em: <http://www.oxfordislamicstudies.com/Public/focus/essay0409_west.html> [acesso: 09/06/15]

 

 

 

*Inspirado em ‘Pas d’hospitalité’ (1997)[1], de Jacques Derrida (1930-2004)

 

Quando a atriz Viviany Beleboni decidiu fazer uma performance utilizando o símbolo da cruz não imaginava que o negócio ficaria tão sério para o seu lado, como contou à Globo [1] no dia seguinte à 19a Parada LGBT paulista, que já constou do Livro dos Recordes como a maior do mundo [2].

Antes dela, os rappers Marcelo D2 [3] e Chris Brown [4], o sambista Bezerra da Silva [5], as divas pop Madonna [6] e Lady Gaga [7], entre outros, já haviam utilizado o símbolo polêmico em suas performances artísticas, e olha que sem nenhuma legenda tal como a incluída na da atriz paulista, que claramente dizia ser “contra a homofobia”. Isso se focarmos apenas os últimos trinta anos, para não voltar até os punks estadunidenses do final da década de 1970, eles próprios que “eram anti-religião, mas usavam cruzes” [8].

Tudo se passa como se cruz e cristianismo fossem inseparáveis. A sua união, contudo, foi política e datada. Segundo o poeta Pareta Calderash: “A representação da cruz é a mais controversa. Visto que quando Jesus Cristo morreu a crucificação era algo inexistente. A pena de morte era praticada por pregar a pessoa em um madeiro, ou poste reto. O símbolo da cruz foi inserido em um concílio da Igreja Católica (…)” [9]. Embora de origem duvidosa, a cruz e outros símbolos pagãos apenas foram adotados pela Igreja após o Segundo Concílio de Niceia, no século VIII [10].

Se durante boa parte do primeiro milênio de sua existência, o sinal da cruz permaneceu no limbo das crenças cristãs, a partir do século IX este assumiu um locus de identidade desta religião. O uso deste termo não é aleatório: possui um propósito muito claro para qualquer antropólogo. Pois se há um consenso entre as Ciências Humanas é o de que a identidade é não apenas um construto, e como tal, pode ser desconstruído (p.ex., revelando suas raízes históricas); como que tal construto é social, sendo produto das relações sociais entre segmentos necessariamente distintos.

A história recente de um órgão mundialmente famoso ilustra de modo surpreendente quais são estes segmentos distintos. Trata-se do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) que, pelo seu estatuto [11], integra o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. Os dois símbolos (a cruz e o crescente) foram unidos após disputas de caráter religioso em que o princípio humanitário de preservação dos civis em conflitos armados era desrespeitado devido ao não-reconhecimento de uma das partes “do outro lado” que utilizava um símbolo determinado.

Assim, as batalhas bizantinas contra a expansão islâmica após a morte do Profeta Maomé [12] no século VII produziram efeitos para muito além de sua época. Em oposição a um lado, o outro se afirmou. Resta saber por quanto tempo sobrevive se ruírem as bases sobre as quais se firmou.

 

Notas:

 

[1] Globo, 08/06/15. Transexual 'crucificada' na Parada Gay relata ameaças em rede social. IN: <http://ego.globo.com/famosos/noticia/2015/06/transexual-crucificada-na-parada-gay-relata-ameacas-em-rede-social.html> [acesso: 09/06/15]

[2] Folha de São Paulo, 28/05/08. Guinness exclui recorde da Parada Gay. IN: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/colunas/destaquesgls/ult10009u406368.shtml> [acesso: 09/06/15]

[3] Isto É, 04/10/15. Bezerra por D2. <http://www.istoe.com.br/reportagens/103735_BEZERRA+ POR+D2> [acesso: 09/06/15]

[4] Huffington Post, 29/06/13. Chris Brown Feels Like Jesus On The Cross After Alleged Assault. IN: <http://www.huffingtonpost.com/2013/01/28/chris-brown-jesus-assault_n_2571159.html> [acesso: 09/06/15]

[5] Musicaria Brasil, Março 13. A polêmica capa do LP “Eu não sou santo”, Bezerra da Silva 1990. IN: <http://musicariabrasil.blogspot.com.br/2013/03/a-polemica-capa-do-lp-eu-nao-sou-santo.html> [acesso: 09/06/15]

[6] NPR, 16/08/06. Madonna's Cross Raises Thorny Questions. IN: <http://www.npr.org/templates /story/story.php?storyId=5658956> [acesso: 09/06/15]

[7] VC, 15/11/09. Lady Gaga's Bad Romance: The Occult Meaning. IN: <http://vigilantcitizen.com/musicbusiness/lady-gagas-bad-romance-the-occult-meaning/>  [acesso em: 09/06/15]

[8] ERRICKSON, April. A Journey into the punk subculture: punk outreach in public libraries. IN: <http://dc.lib.unc.edu/cdm/ref/collection/s_papers/id/192>  [acesso: 09/06/15]

[9] Portal JusBrasil, 08/06/15. A Parada Gay e o histórico de desrespeito a imagem de Cristo. IN: <http://pareta.jusbrasil.com.br/artigos/195939893/a-parada-gay-e-o-historico-de-desrespeito-a-imagem-de-cristo>  [acesso: 09/06/15]

[10] TANNER, Norman (Ed.). “Nicaea II: 787”. IN: Decrees of the Ecumenical Councils. Georgetown University Press (1990) ISBN: 9780878404902. (pp. 130-156). Capítulo disponível em: <http://faculty.cua.edu/pennington/Canon%20Law/Councils/Chalcedon%20451.pdf>  [acesso: 09/06/15]

[11] Estatutos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). Disponível em: <https://www.icrc .org/por/resources/documents/misc/icrc-statutes-080503.htm> [acesso: 09/06/15]

[12] KALIN, Ibrahim. Islam and the West: Deciphering a Contested History. [s/d]. Disponível em: <http://www.oxfordislamicstudies.com/Public/focus/essay0409_west.html> [acesso: 09/06/15]

 

 

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.