Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Planejamento: E o professor, tem que se organizar também?
23 de abril de 2019

Qualquer profissional precisa organizar seus afazeres: O que já fez, o que tem que fazer, consequências de cada ação, o necessário, prioridades e aí vai.

 

E o professor, tem que se organizar também?

 

Muitos dos que conheci e conheço não se preocupam com isso, a eles basta o livro didático e, então, surge a questão: Como uma mesma atividade, organizada em um escritório, no mínimo há três anos, atenderá às necessidades cognitivas/educativas de cada educando?

 

Preparar as intervenções pedagógicas exige muito mais que um livro didático, não que ele não seja um bom recurso, mas insuficiente.

 

O planejamento de um professor exige alguns cuidados se se deseja um resultado promissor:

 

•    realizar um diagnóstico que detecte o que cada educando domina, o que ele acha que domina, pontos comuns e divergentes dentro do grande grupo/turma;

•    mapeado o real, definir os problemas específicos e gerais;

•    definir prioridades;

•    frente às prioridades, escaloná-las e, a partir dai, estabelecer o que, como, quando, com quem e com o que fazer. Montar planejamentos estratégicos.

 

Para realizar o diagnóstico deve-se usar, como parâmetro, as habilidades e competências necessárias à formação do educando como pessoa, como elemento social, como cidadão,  no presente, no agora, sem o discurso do amanhã. Se o presente estiver bem estruturado, o amanhã se tornará mais fácil e seguro porque ele se faz no dia a dia.

 

Só isso não basta. É necessário monitorar o processo individual e coletivo: Avaliações contínuas, replanejamentos, intervenções no momento exato.

 

Na minha opinião, a chamada recuperação mensal/bimestral/trimestral deveria transformar-se em recuperação contínua, aliás, deixar de ser recuperação ( de que?) e tornar-se intervenção para construção, não deixar nada se perder pelo caminho.

 

O perdido não é recuperado: Não se perde o que não se tem, exceto os famigerados pontos. Tarefa difícil e exigente, mas necessária.

Qualquer profissional precisa organizar seus afazeres: o que já fez, o que tem que fazer, consequências de cada ação, o necessário, prioridades e aí vai. E o professor, tem que se organizar também?

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.