Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Políticas Públicas do Brasil condenam 3 milhões de jovens por ano
24 de abril de 2019

Talvez a cultura, representada na escola como artes, seja o conteúdo mais transversal de todos os conteúdos determinados nos parâmetros curriculares, quero deixar minha opinião de que tais parâmetros são uma tentativa do governo dizer ou mostrar que LIBER

Talvez a cultura, representada na escola como artes, seja o conteúdo mais transversal de todos os conteúdos determinados nos parâmetros curriculares, quero deixar minha opinião de que tais parâmetros são uma tentativa do governo dizer ou mostrar que LIBERTOU A ESCOLA das grades de ferro que aprisionam professores, estudantes e que entre elas uma destaca-se com o nome de GRADE CURRICULAR. Também a cultura constitui o conteúdo onde se gasta mais tempo para sua produção de maneira a contemplar a criatividade e a livre expressão.

Este tempo que as práticas de artes requerem; este tempo mais requerido ainda, quando os fenômenos provocados nas salas de aula fechadas e amarradas pela grade militar do século XIX e XX,  são comparáveis a uma explosão da panela de pressão, estouro este que acontece quando estimulamos a criatividade e a expressão artística nos estudantes também aprisionados pelo sistema educacional.

O tempo (50 minutos de aula) e o jugo da grade curricular, que exige a aula coletiva, talvez sejam os motivadores primordiais que vem provocando depressão e demissão entre os professores, com uma vergonhosa estatística de 8 professores por dia se demitirem em São Paulo.

A Cultura que cura – falada pelo Thiago Vinícius – Cura feridas internas do cidadão e do estado brasileiro Manifestações culturais que resgatam a auto-estima – a cidadania – a integridade tornam-se mais do que nunca necessárias neste século XXI onde as Políticas Públicas do Brasil condenam 3 milhões de jovens por ano, ao vale do NEM, nem estudam e nem trabalham. Sabendo-se que estes dados são uma estatística de 2010, podemos calcular que ao final deste 2013 estarão aí na rua 9 milhões de jovens vitimados pelo sistema escolar que são alvo do genocídio jovem.

Mas as manifestações culturais, o engajamento nas artes, os resgatam, e com certeza estes recursos que a APEC 150 defende, estes movimentos culturais que o Fora do Eixo faz acontecer em 500 cidades brasileiras, estes programas em parceria com as escolas,  são para cumprir uma lei que há 17 anos (LDBEN nº 9394/96) diz que “a educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”.

Conquistas como foram citadas pela deputada  Jandira Feghali: “há que se comemorar os avanços”.

Nosso 6º indicativo de qualidade que anuncia a possibilidade de uma mudança da escola – melhorar a educação – transformar um país: Que a instituição escolar ressignifique seu papel, passando a atuar como locus de construção de conhecimentos e vivências, voltado para a felicidade das suas comunidades, desfazendo-se de imposições de currículos e métodos herdados do passado enciclopedista, seja fabril ou bancário. Somente assim extinguir-se-á a diferenciação hoje existente entre os estudantes dos sistemas público (municipal, estadual e federal) e privado;

Foi aqui falado em Processo legislativo – mudanças dos mecanismos internos nos parlamentos. Vemos hoje + educação + cultura tão difícil a prestação de contas que algumas escolas rejeitam e depois vem a afirmação: “NÂO QUEREM! Gasta muito tempo”.

Como podemos unificar estes anseios e estas ações, afinal o estudante é um só e não pode ser disputado sobre qual dos programas é o melhor + educação + cultura? Como vocês podem unificar ou viabilizar um sistema mais autônomo e mais simples de prestação de contas?

Como fazer para o + cultura não ser apenas uma cerejinha no bolo de massa ensolarada e recheio apodrecido coberto pelo lindo glacê branco, que se apresenta a educação, neste país? Como fazer para que a cultura não aconteça à margem do dito período normal, ou seja, na contramão do chamado contra turno?

Acompanhemos a trajetória da APEC 150 e do + cultura.

Talvez a cultura, representada na escola como artes, seja o conteúdo mais transversal de todos os conteúdos determinados nos parâmetros curriculares, quero deixar minha opinião de que tais parâmetros são uma tentativa do governo dizer ou mostrar que LIBERTOU A ESCOLA das grades de ferro que aprisionam professores, estudantes e que entre elas uma destaca-se com o nome de GRADE CURRICULAR. Também a cultura constitui o conteúdo onde se gasta mais tempo para sua produção de maneira a contemplar a criatividade e a livre expressão.

Este tempo que as práticas de artes requerem; este tempo mais requerido ainda, quando os fenômenos provocados nas salas de aula fechadas e amarradas pela grade militar do século XIX e XX,  são comparáveis a uma explosão da panela de pressão, estouro este que acontece quando estimulamos a criatividade e a expressão artística nos estudantes também aprisionados pelo sistema educacional.

O tempo (50 minutos de aula) e o jugo da grade curricular, que exige a aula coletiva, talvez sejam os motivadores primordiais que vem provocando depressão e demissão entre os professores, com uma vergonhosa estatística de 8 professores por dia se demitirem em São Paulo.

A Cultura que cura – falada pelo Thiago Vinícius – Cura feridas internas do cidadão e do estado brasileiro Manifestações culturais que resgatam a auto-estima – a cidadania – a integridade tornam-se mais do que nunca necessárias neste século XXI onde as Políticas Públicas do Brasil condenam 3 milhões de jovens por ano, ao vale do NEM, nem estudam e nem trabalham. Sabendo-se que estes dados são uma estatística de 2010, podemos calcular que ao final deste 2013 estarão aí na rua 9 milhões de jovens vitimados pelo sistema escolar que são alvo do genocídio jovem.

Mas as manifestações culturais, o engajamento nas artes, os resgatam, e com certeza estes recursos que a APEC 150 defende, estes movimentos culturais que o Fora do Eixo faz acontecer em 500 cidades brasileiras, estes programas em parceria com as escolas,  são para cumprir uma lei que há 17 anos (LDBEN nº 9394/96) diz que “a educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”.

Conquistas como foram citadas pela deputada  Jandira Feghali: “há que se comemorar os avanços”.

Nosso 6º indicativo de qualidade que anuncia a possibilidade de uma mudança da escola – melhorar a educação – transformar um país: Que a instituição escolar ressignifique seu papel, passando a atuar como locus de construção de conhecimentos e vivências, voltado para a felicidade das suas comunidades, desfazendo-se de imposições de currículos e métodos herdados do passado enciclopedista, seja fabril ou bancário. Somente assim extinguir-se-á a diferenciação hoje existente entre os estudantes dos sistemas público (municipal, estadual e federal) e privado;

Foi aqui falado em Processo legislativo – mudanças dos mecanismos internos nos parlamentos. Vemos hoje + educação + cultura tão difícil a prestação de contas que algumas escolas rejeitam e depois vem a afirmação: “NÂO QUEREM! Gasta muito tempo”.

Como podemos unificar estes anseios e estas ações, afinal o estudante é um só e não pode ser disputado sobre qual dos programas é o melhor + educação + cultura? Como vocês podem unificar ou viabilizar um sistema mais autônomo e mais simples de prestação de contas?

Como fazer para o + cultura não ser apenas uma cerejinha no bolo de massa ensolarada e recheio apodrecido coberto pelo lindo glacê branco, que se apresenta a educação, neste país? Como fazer para que a cultura não aconteça à margem do dito período normal, ou seja, na contramão do chamado contra turno?

Acompanhemos a trajetória da APEC 150 e do + cultura.

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.