Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Procurando agulha no palheiro
24 de abril de 2019

Ao ler o texto completo de Beatriz, sinto-me na obrigação de convidar a conhecer a realidade da escola pública Brasileira do Ensino Fundamental I e II, qualquer escola, Estadual ou Municipal e escolher ao acaso qualquer professor(a) para conversar. De aco

Ontem (18/05/15) recebi um e-mail dos RCs contendo um desafio que transcrevo parcialmente: (…)“Vou ajudá-lo a conhecer a realidade. E começo convidando-o a vir a Minas Gerais, entrar numa escola estadual e conversar com um professor, qualquer escola, qualquer professor.” (…) Por fim, faço o convite a todos que gostam de escrever sobre escola pública. Venham a Minas Gerais e vivam por um mês com os salários pagos, herança maldita do PSDB. Façam a grande descoberta de suas vidas: descubram o que é escola pública!” Por Beatriz Cerqueira, no blog Viomundo

Ao ler o texto completo de Beatriz, sinto-me na obrigação de convidar a conhecer a realidade da escola pública Brasileira do Ensino Fundamental I e II, qualquer escola, Estadual ou Municipal e escolher ao acaso qualquer professor(a) para conversar. De acordo com o EducaCenso do Inep são 188. 673 escolas. E desafio aqui a encontrar algumas (não vale a Amorim Lima nem a Campos Sales) com as seguintes características:

1. Prédio escolar que não se pareça em nada com um reformatório: portões com cadeados, muros altos, dividido em "salas (celas) de aula", mobiliário enferrujado e quebrado (mesas, cadeiras, armários), sem espaço adequado para os aclamados "cantinhos" sugeridos em livros do MEC que ficam só no papel, pátio coberto que serve de refeitório vigiado o tempo todo por inspetores, pátio descoberto que serve de espaço para Educação Física e prática de esporte (sem qualquer separação de quadra poliesportiva) e consequentemente nenhum espaço de convivência livre etc.

2. Equipe Gestora que respeite e valorize os(as) profissionais da Educação e defendam seus pontos de vista junto às Secretarias Estaduais e Municipais com autonomia na construção e realização (incluindo a comunidade) do PPP , análise e revisão de suas Metas e aprovação de subsídios (humanos, financeiros e materiais) para sua efetiva implantação.

3. Participação da comunidade nos destinos da escola através da ação concreta nos Conselhos Escolares e APMs.

4. Interlocução democrática com as Instituições formadoras, sugerindo e ampliando ou descartando conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais no Currículo da(s) Faculdade(s) de Pedagogia local(is).

5. Onde os tempos de aprendizagem não sejam divididos em "grades curriculares" e com "aulas" de 50 minutos.

6. Onde o papel do professor(a) seja o de estimulador/provocador da aprendizagem e que o atendimento individualizado para essa construção só é possível em grupos com no máximo 20 crianças nos anos iniciais e 25 nos demais grupos (hoje ano/série) do Ensino Fundamental. O ideal é que não haja "classes".

7. Onde a inclusão seja de todas as crianças, além das chamadas "especiais".

8. Onde a conexão com os demais órgãos da saúde pública local seja realidade.

9. Onde os Conteúdos Atitudinais referentes à Convivência sejam prioridade relativamente aos demais Conteúdos Conceituais e Procedimentais, entendendo-se a escola como espaço vital de relações entre as pessoas/humanos e que a aprendizagem ocorre nessa relação.

Paro por aqui. Acho que já está bom.

Então, pessoal, a Beatriz Cerqueira fez o desafio para Minas e eu aproveitei pra fazer o mesmo em nível nacional. É como procurar agulha no palheiro, como dizia minha mãe.

Eu mesma trabalho numa Escola Municipal que não tem nada disso. E vou aos trancos e barrancos seguindo na minha prática inovadora, às vezes empurrando com a barriga, às vezes construindo aprendizagem, sempre acreditando que fazendo isso hoje contribuo para que as crianças tenham oportunidade de construir cada uma o seu próprio futuro com responsabilidade social. 

 

Meu lema é: "Toda criança será o adulto de amanhã”.

 

Sigamos conspirando.

Ontem (18/05/15) recebi um e-mail dos RCs contendo um desafio que transcrevo parcialmente: (…)“Vou ajudá-lo a conhecer a realidade. E começo convidando-o a vir a Minas Gerais, entrar numa escola estadual e conversar com um professor, qualquer escola, qualquer professor.” (…) Por fim, faço o convite a todos que gostam de escrever sobre escola pública. Venham a Minas Gerais e vivam por um mês com os salários pagos, herança maldita do PSDB. Façam a grande descoberta de suas vidas: descubram o que é escola pública!” Por Beatriz Cerqueira, no blog Viomundo

Ao ler o texto completo de Beatriz, sinto-me na obrigação de convidar a conhecer a realidade da escola pública Brasileira do Ensino Fundamental I e II, qualquer escola, Estadual ou Municipal e escolher ao acaso qualquer professor(a) para conversar. De acordo com o EducaCenso do Inep são 188. 673 escolas. E desafio aqui a encontrar algumas (não vale a Amorim Lima nem a Campos Sales) com as seguintes características:

1. Prédio escolar que não se pareça em nada com um reformatório: portões com cadeados, muros altos, dividido em "salas (celas) de aula", mobiliário enferrujado e quebrado (mesas, cadeiras, armários), sem espaço adequado para os aclamados "cantinhos" sugeridos em livros do MEC que ficam só no papel, pátio coberto que serve de refeitório vigiado o tempo todo por inspetores, pátio descoberto que serve de espaço para Educação Física e prática de esporte (sem qualquer separação de quadra poliesportiva) e consequentemente nenhum espaço de convivência livre etc.

2. Equipe Gestora que respeite e valorize os(as) profissionais da Educação e defendam seus pontos de vista junto às Secretarias Estaduais e Municipais com autonomia na construção e realização (incluindo a comunidade) do PPP , análise e revisão de suas Metas e aprovação de subsídios (humanos, financeiros e materiais) para sua efetiva implantação.

3. Participação da comunidade nos destinos da escola através da ação concreta nos Conselhos Escolares e APMs.

4. Interlocução democrática com as Instituições formadoras, sugerindo e ampliando ou descartando conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais no Currículo da(s) Faculdade(s) de Pedagogia local(is).

5. Onde os tempos de aprendizagem não sejam divididos em "grades curriculares" e com "aulas" de 50 minutos.

6. Onde o papel do professor(a) seja o de estimulador/provocador da aprendizagem e que o atendimento individualizado para essa construção só é possível em grupos com no máximo 20 crianças nos anos iniciais e 25 nos demais grupos (hoje ano/série) do Ensino Fundamental. O ideal é que não haja "classes".

7. Onde a inclusão seja de todas as crianças, além das chamadas "especiais".

8. Onde a conexão com os demais órgãos da saúde pública local seja realidade.

9. Onde os Conteúdos Atitudinais referentes à Convivência sejam prioridade relativamente aos demais Conteúdos Conceituais e Procedimentais, entendendo-se a escola como espaço vital de relações entre as pessoas/humanos e que a aprendizagem ocorre nessa relação.

Paro por aqui. Acho que já está bom.

Então, pessoal, a Beatriz Cerqueira fez o desafio para Minas e eu aproveitei pra fazer o mesmo em nível nacional. É como procurar agulha no palheiro, como dizia minha mãe.

Eu mesma trabalho numa Escola Municipal que não tem nada disso. E vou aos trancos e barrancos seguindo na minha prática inovadora, às vezes empurrando com a barriga, às vezes construindo aprendizagem, sempre acreditando que fazendo isso hoje contribuo para que as crianças tenham oportunidade de construir cada uma o seu próprio futuro com responsabilidade social. 

 

Meu lema é: "Toda criança será o adulto de amanhã”.

 

Sigamos conspirando.

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.