Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Sala de (j)aula
2 de julho de 2018

Desespero escolar, entro na sala e uma criança me entrega um bilhete.

'deixe a gente sair"

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Deixe a gente sair frown

A professora títular não estava, e eu assumi o posto de “professor carcereiro”. O bilhete reflete muitos pontos da escola, a inexistência da relação libertadora, ausência de uma ludicidade articulada aos processos de aprendizagem.

O “sair” ampliado, fora da sala,
fora da escola,
fora da escolarização do mundo.

O sonho era que o aluno desesperado e o professor carcereiro saíssem de mãos dadas dos mofos educacionais, senti a necessidade de ser libertado também. Um liberta o outro, um salva o outro, apenas com o olhar, sem palavras, apenas confiando no sentimento e na potência das possibilidades que a incerteza de ser livre proporciona.

Nesse momento lembrei-me de Rubem Alves, “há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas.” Antes que eu pudesse encorajar o voo, a professora titular retornar a sala de (j)aula, o sinal toca e por fim a sensação de libertade programada.

Artigos Relacionados

Quem viver verá

Quem viver verá

É sempre muito difícil perceber uma revolução, enquanto ela acontece. Apenas ao passar dos anos,...

ler mais
Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.