Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
Um CONTO DE FADAS ambiental
23 de abril de 2019

Essa abordagem pode parecer um pouco holística ambientalmente, mas quando vamos gerenciar algo tão precioso como fauna e flora de uma região, é preciso experimentar novas teorias, enxergar outras visões e ir além de um mundo objeto (onde os habitantes pensantes parecem mais homo economicus do que homo sapiens sapiens). Pode-se assim, evitar piores colapsos ambientais em nossa qualidade socioambiental. Afinal, um pouco de poesia e encantamento do ponto de vista ambiental acaba não fazendo mal, além de contribuir, aproximando este público da "ecologia-interna" com os "tecnicistas".

A principal queixa dos preservacionistas é a falta de políticas públicas ambientais coerentes e então, nesse caso, precisaríamos apenas colocar as crianças no poder, que nos ensinariam melhor os conceitos de ternura e respeito que precisamos para com o Ambiente. Porém, é possível concordar também com alguns tecnicistas da área, não ficando somente em um "conto de fadas ambiental" e sim em ações concretas de prevenção e outras com o poder de polícia ambiental que o Estado possui.


"(…) a sociedade necessita de mecanismos de incentivo ao risco, pois o risco precede toda inovação." José Lutzenberger


A crise ambiental se mostra aparente, a partir da desarticulação do mundo somada a uma coisificação dos recursos ambientais disponíveis. O homem com racionalidade ambiental procuraria recuperar valores cristalizados e, assim, restabelecer o vínculo com a vida, com o desejo de vida e então "fertilizá-la" organicamente (LEFF, 2006).
Segundo Leff (2006), essa crise ambiental, que na verdade ele prefere chamar de ‘crise de civilização’, gera um entorpecimento dos sentimentos de ternura e respeito em relação à qualidade socioambiental do próprio homem. Sua proposta é tecer uma nova razão de sustentabilidade, que ilumine novos valores civilizatórios. O autor ainda propõe a Epistemologia Ambiental, i.é., estudos críticos nas ciências ambientais e esses viriam como necessidade, não como apenas um conto de fadas.


A construção de uma racionalidade ambiental é um processo político e social que confronta com interesses diversos, com reorientação de padrões tecnológicos e práticas de consumo. Nossa problemática ambiental questiona possibilidades de manter uma racionalidade social baseada em cálculos somente econômicos, controle e uniformização de comportamentos sociais, que induzem para questões globais de degradação socioambiental, com desinteresses na eqüidade social e dignidade humana (LEFF, 2002).


"A questão ambiental gera, assim, uma complexa dialética entre realidade e conhecimento. O saber ambiental não é tão-somente uma resposta teórica mais adequada a um real social (a um referente empírico) mais complexo a partir de novas aproximações holísticas e sistêmicas. O saber ambiental questiona as teorias sociais que legitimaram e instrumentalizaram a racionalidade social prevalecente e defende a necessidade de elaborar novos paradigmas do conhecimento para construir outra realidade social. Estas características do saber ambiental, de seus efeitos nas crenças e comportamento dos agentes sociais, bem como no desenvolvimento das ciências e disciplinas sociais, aduba o terreno para fundar uma sociologia ambiental do saber sociológico" (LEFF, 2002).


A formação de uma sensibilização ambiental e posterior consciência somente virá com a desconstrução de nossos processos sociais, como a transformação democrática do Estado, a reorganização transetorial da administração pública, a reelaboração interdisciplinar do saber vinculado à área ambiental e a cooperação social no lugar da competição social (LEFF, 2002).


De acordo com Nalini (2003), o termo ética é um código de comportamento que orienta a conduta de indivíduos, i.é., princípios morais que diferenciam o certo do errado.


Em um discurso e nas políticas do desenvolvimento sustentado, ocorre um conjunto de clichês para conformar a ética do desenvolvimento sustentável, como: "pensar globalmente e agir localmente" e o princípio da precaução. Eles circulam no imaginário abstrato da consciência ambiental, nos instrumentos legais que normatizam condutas de atores sociais e vão se inserindo na formação da falácia ambiental de certos "ambientalistas" (LEFF, 2006).
É difícil encontrarmos os reais valores ambientais que penetram com dificuldade nas consciências. Ser ético é apenas adquirir bom senso e não coisificar os recursos ambientais que a natureza disponibiliza diariamente.


"A ética ambiental explora a dialética do um e do outro na construção de uma sociedade convivencial e sustentável" (LEFF, 2006).

 

*Cláudio Moraes é Gestor Ambiental, Educador Ambiental do Sítio Geranium, Palhaço Verde e Componente do NEPLA – Guará/DF.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

LEFF, Enrique. Epistemologia Ambiental. Tradução de Sandra Valenzuela; Revisão Técnica de Paulo Freire Vieira – 3ª Edição – São Paulo. Cortez, 2002.
LEFF, Enrique. Racionalidade Ambiental: A Reprodução Social da Natureza. Tradução de Luis Carlos Cabral. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2006.
NALINI, José Renato. Ética Ambiental: 2ª Edição. São Paulo: Milennium Editora Ltda, 2003.

Essa abordagem pode parecer um pouco holística ambientalmente, mas quando vamos gerenciar algo tão precioso como fauna e flora de uma região, é preciso experimentar novas teorias, enxergar outras visões e ir além de um mundo objeto (onde os habitantes pen

Artigos Relacionados

Aislan Munin
Pai da Liz. Membro cooperado do Portal da Educadora, Estudou Ciências Sociais na PUCSP e FESPSP, autodidata em Sistemas Web, uniu as duas áreas trabalhando como sócio-educador lecionando Introdução a Informática.